terça-feira, 28 de março de 2017

Cáritas NE2 e famílias celebram entrega de cisternas

Por Lidiane Santos | Comunicadora da Cáritas Brasileira Regional Nordeste 2
Fotos: Rosanny Barreto | Comunicadora da Cáritas Diocesana de Pesqueira

Com um público de mais de mil agricultores e agricultoras, a Cáritas Brasileira Regional Nordeste 2 celebrou, na última quarta-feira (22/03), a construção e a entrega de 1670 cisternas de placas para as famílias da zona rural do município de Capoeiras (PE). A cerimônia foi realizada na Escola Estadual Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, localizada no Centro da cidade, e contou com a presença de representantes da sociedade civil e das esferas do Governo.

Além da comemoração pelo Dia Mundial da Água, a Mesa de Diálogos marcou a universalização do acesso hídrico alcançado pelas famílias da zona rural do município, por meio da execução do Programa Água Para Todos, que conta com a parceria do Programa Estadual de Apoio ao Pequeno Produtor Rural (ProRural), ligado ao Governo do Estado.

A partir da contextualização da água como um direito de todos e ressaltando os princípios espirituais e materiais, o secretário regional, Angelo Zanré, iniciou o evento com a saudação ao público. “Em nome da Cáritas Brasileira Regional Nordeste 2, desejo boas-vindas a todos e todas neste momento tão importante. A água é sagrada, é dom de Deus, portanto é, também, um princípio espiritual essencial. Além disso, ela é material, porque possibilita a sobrevivência humana, através do consumo, da produção de alimentos, da criação animal, entre tantos outros aspectos”, pontuou.

A partir da própria experiência de ter uma cisterna de placas no terreiro de casa, a presidente do Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável de Capoeiras, Maria Ildejane Pereira, falou sobre os benefícios que a tecnologia social de captação e armazenamento de água da chuva traz para as famílias. “Estou muito feliz, pois Capoeiras foi um dos municípios que se destacou no número de cisternas construídas. Só sabe o valor e a importância de uma cisterna quem a tem no arredor de casa”, afirmou.

Já para o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Capoeiras, Nilson Freitas, a ocasião ficará marcada na história e nas mentes dos capoeirenses. “Não é à toa que o município de Capoeiras foi escolhido para receber esta celebração no Dia Mundial da Água. Hoje, comemoramos a universalização do acesso à água nesse município. Graças ao Movimento e graças aos trabalhadores e trabalhadoras”, disse.

Por sua vez, a prefeita de Capoeiras, Lucineide Silva, destacou a alegria por este momento da história do município. “A produção agrícola foi quem sempre estimulou a economia do país, portanto quero fazer, aqui, um agradecimento especial à Cáritas Brasileira Regional Nordeste 2, por tamanho compromisso e dedicação aos agricultores”, concluiu a gestora municipal.

Na ocasião, agricultores contemplados pelo Programa também falaram da mudança de vida após a cisterna. Foi assim com seu Simão Salgado, que relatou a experiência da família depois que passou a ter a tecnologia o arredor de casa. Entretanto, é na fala das mulheres, de modo especial, que é possível compreender todos os benefícios trazidos pela política pública. “A gente vivia no sacrifício, carregando latas com água na cabeça. Hoje, eu não sofro mais por ter que buscar água para beber em lugares distantes da minha casa. Agora, é só ir no terreiro, abrir a porta da cisterna e encher o balde”, explicou a agricultora Maria José da Silva.

Como um gesto concreto, a equipe do Programa de Convivência com o Semiárido da Cáritas Nordeste 2 elaborou uma Carta Aberta pela comemoração ao Dia Mundial da Água e pela universalização do acesso hídrico alcançado pelo município. O documento foi lido por Kilma Ferreira, membro da Colegiada Regional, e pelo supervisor técnico, Edimilson Paulino. A carta aborda as especificidades do Semiárido brasileiro, da atuação da Cáritas Brasileira Regional Nordeste 2 na busca pela criação e consolidação de políticas públicas, assim como traz proposições ao governantes municipais e estaduais, no sentido de dar continuidade aos trabalhos em prol da população camponesa.

Após a leitura do documento, a coordenadora regional do Programa de Convivência com o Semiárido, Flavianeide Pereira, falou dos desafios de conviver com a estiagem prolongada, mas também abordou as conquistas que as famílias obtêm no processo de formação e mobilização social. “O acesso à água impacta diretamente na saúde, na autonomia hídrica, na segurança alimentar e nutricional, a fim de proporcionar importantes melhorias na qualidade de vida das famílias”, considerou.

Em seguida, uma comissão formada por gestores públicos e sociedade civil caminhou até a casa da agricultora Analia Claudino de Melo, localizada na comunidade Curral Queimado. A família dela foi escolhida para representar as outras 1669, que foram contempladas pelo Programa Água Para Todos no município de Capoeiras. Na ocasião, a cisterna foi abençoada e aspergida com água benta, a fim de ser um instrumento de vida.

CAETÉS – Além de Capoeiras, outro município que faz parte da atuação do Programa Água Para Todos, é Caetés, que está sendo contemplado com mais de duas mil cisternas. De acordo com o prefeito, Armando Almeida, o compromisso que a Organização assume diante das famílias é peça fundamental para o sucesso dessa ação. “Credibilidade e confiança são palavras que resumem a atuação da Cáritas”, afirmou o gestor. Para o secretário municipal de Agricultura, Lucivalter Santana, são trabalhos como esses que estruturam as famílias no campo e engrandecem a agricultura familiar.

terça-feira, 21 de março de 2017

Encontro em Caruaru discute convivência com Semiárido e reforma da Previdência


Por Marina Moura (Centro Sabiá)

Nenhum Direito a Menos – pela continuidade das políticas de convivência com o Semiárido e contra a reforma da previdência. Este é o tema do Encontro Territorial que acontece nos dias, 22 e 23 deste mês,  no Centro de Formação Paulo Freire, assentamento Normandia, em Caruaru, Agreste pernambucano. A atividade é uma realização do Centro Sabiá, com o apoio do  Programa Uma Terra e Duas Águas (P1+2), da Articulação Semiárido (ASA Brasil) e da ASA-PE. Cerca de 70 pessoas estão sendo esperadas para a atividade.

No primeiro dia do Encontro Territorial, haverá um debate voltado às políticas de convivência com o Semiárido e os períodos de estiagem, conduzido por Alexandre Henrique Pires, da Executiva Estadual da ASA-PE e coordenador-geral do Centro Sabiá. Já as mudanças que afetarão a vida de agricultores e agricultoras com a reforma da previdência, será o tema da fala de Anna Paula da Silva,  do Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste (MMTR-NE).

Um carrossel de experiência fará parte das atividades do segundo dia de encontro. No carrossel serão compartilhadas experiências sobre a situação de trabalho e aposentadoria de mulheres agricultoras; jovens inseridos na construção da agricultura de base agroecológica; e detalhes da produção e comercialização de produtos agroecológicos. 
O evento faz parte das ações em comemoração ao Dia da Água e também conta com  a parceria do Movimento da Mulher Trabalhadora Rural do Nordeste (MMTR-NE) e a Associação dos/as Agricultores/as Agroecológicos de Bom Jardim (Agroflor).

Cáritas NE2 entrega 1670 cisternas para agricultores/as de Pernambuco

Por Lidiane Santos / Comunicadora da Cáritas Brasileira Regional Nordeste 2


Nesta quarta-feira (22/03), 1670 famílias agricultoras do município de Capoeiras, do Agreste de Pernambuco, serão contempladas com cisternas de placas, com capacidade para captar e armazenar 16 mil litros de água da chuva para consumo humano. A cerimônia, realizada pela Cáritas Brasileira Regional Nordeste 2, está marcada para às 9h30, na Escola Estadual Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, localizada no Centro da cidade.

A ação, executada pelo Programa Regional de Convivência com o Semiárido, faz parte da programação do Dia da Água, que é celebrado, mundialmente, em 22 de Março, data em que a Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu para chamar a atenção das populações sobre a temática.

Para a coordenadora regional do Programa de Convivência com o Semiárido da Cáritas NE2, Flavianeide Pereira, os impactos sociais trazidos pelas cisternas diz respeito, principalmente, à melhoria na qualidade de vida das famílias agricultoras. “O acesso à água representa mais saúde, mais autonomia hídrica, reduz a sobrecarga de trabalho dos membros das famílias, principalmente das mulheres, além de garantir a soberania alimentar e nutricional”, afirmou. 

Todos os resultados alcançados, acima, fazem parte de um processo de formação para a mobilização social. “Vale destacar que, além as cisternas de 16 mil litros para armazenamento de água para o consumo humano, o Programa Água Para Todos proporciona, às famílias, uma capacitação em Gestão de Recursos Hídricos (GRH). O objetivo é levá-las a refletir o contexto hídrico da comunidade em que fazem parte”, destacou Flavianeide. 

Além do acesso à água, através da construção da cisterna e também das formações que participam, as famílias também têm a oportunidade de gerar renda. Ainda de acordo com Flavianeide, os/as agricultores/as podem ser capacitados/as na construção da tecnologia social, além de movimentar o comércio local, por meio da compra de materiais de infraestrutura.

SERVIÇO:
Data: 22 de Março de 2017
Horário: 09h30
Local: Escola Estadual Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, no Centro de Capoeiras, no Agreste Meridional (PE)


sexta-feira, 17 de março de 2017

Semana da Água tem vasta programação na região do Pajeú



Com o tema “Caatinga: Guardiã da Água”, uma programação ampla está sendo preparada por organizações sociais integrantes da Articulação no Semiárido de Pernambuco (ASA-PE), em parceria com diversos segmentos da sociedade civil, para comemorar a 5° Semana Mundial da Água (SEMA) no Sertão do Pajeú. Os eventos começam nesta segunda (20), e seguem até o dia 24 (sexta-feira) nas cidades de Afogados da Ingazeira, Carnaíba, São José do Egito, Serra Talhada e Triunfo.

A SEMA tem como objetivo chamar a atenção da sociedade e do poder público para as consequências da degradação da vegetação da Caatinga, o que provoca escassez de água no Semiárido. A programação, relacionada ao tema da Campanha da Fraternidade 2017 - “Biomas Brasileiros e Defesa da Vida”, contará com caminhada, missa, seminários, ato em defesa do Rio Pajeú, abraço simbólico ao açude de Triunfo, palestras e audiência pública.

A proposta é difundir práticas de conservação e uso consciente da água, além de reivindicar políticas públicas de garantia dos recursos hídricos.

Confira a programação:

20/03 - Carnaíba
  • 8h - Caminhada pelas nascentes na comunidade de Barreiros;
  • 11h - Missa na mesma comunidade com os padres Luís Marques (Luizinho), da Ingazeira, e Antônio Orlando, de Afogados da Ingazeira, para refletir sobre o bioma Caatinga e a necessidade de conservar as nascentes da comunidade.

21/03 - Serra Talhada
  • 9h - Seminário A Caatinga Guardiã da Água: “Como garantir a água por mais tempo”, organizado pelo Centro de Educação Comunitária Rural (Cecor) e parceiros locais - palestrantes: Professor Genival Barros – UFRPE e agricultor (a) experimentador (a). Local: Auditório do Cecor

22/03 - Triunfo
  • 8h - Ato Público
  • 9h30 - Abraço no Açude
  • 14h - Seminário A Caatinga Guardiã da Água: “Reaproveite a água que você usa” -Palestrantes: Professor Daniel Duarte – UFPB/INSA e agricultor (a) experimentador (a) - Realização: ADESSU Baixa Verde, Centro Sabiá e Parceiros Locais

22/03 - Serra Talhada
  •   8h - Ato Público em defesa do Rio Pajeú - Concentração no Bairro da Caxixola
  • 13h30 - Palestra no IF Sertão – Campus Serra Talhada
  • 19h - Palestra no Centro Tecnológico – Serra Talhada

23/03 - Afogados da Ingazeira
  • 8h - Seminário A Caatinga Guardiã da Água: “A água que a Caatinga Guarda” - palestrantes: Professor Genival Barros (UFRPE) e agricultor (a) experimentador (a) - Realizado pela Diaconia, Casa da Mulher do Nordeste, Rede de Mulheres Produtoras e Grupo Fé e Política - Local: Centro de Inclusão Digital

24/03 - São José do Egito
  • 8h - Audiência Pública para tratar de conflitos pelo uso da água em reservatórios do município - convidados: APAC, CPRH, Ministério Público Estadual, Prefeitura Municipal e Câmara de Vereadores

quinta-feira, 16 de março de 2017

Programa Um Milhão de Cisternas gera renda para jovens de comunidades rurais

Por Jéssica Freitas, comunicadora popular da ADESSU Baixa Verde




O Programa Um Milhão de Cisternas - P1MC tem melhorado a vida de milhares de famílias no Semiárido Brasileiro, garantindo o acesso à água de qualidade. Mas uma iniciativa da equipe do programa, executado pela ADESSU Baixa Verde está indo além. O objetivo é dar possibilidades para que jovens de comunidades rurais de Santa Cruz da Baixa Verde e Triunfo possam se capacitar e ter acesso à renda a partir da confecção de um dos componentes das cisternas de placas. Eles irão aprender a montar a estrutura das bombas manuais (peças feitas com canos de PVC que auxiliam as famílias na retirada da água das cisternas). 

Nessa quarta-feira (15), um grupo de jovens participou da primeira etapa de capacitação. A gerente financeira do programa, Andréa Santos, apresentou a proposta e passou informações sobre como se dará o processo. “A ADESSU sempre trabalhou com o jovem e sempre buscou alternativas para inserir esse público e criar formas de geração de renda. Pensando nisso, estamos com a proposta de inseri-los nos cursos de Gerenciamento de Recursos Hídricos - GRH como estagiários e também formar uma equipe de 10 jovens para a confecção das bombas”, explicou.

Sob a orientação da técnica de campo do programa, Lucimara Rodrigues, eles já começaram a conhecer as peças utilizadas e o processo de montagem. Através da oficina práticas, eles têm possibilidade de produzir as bombas, destinadas às 340 cisternas de placas que serão construídas nesse Termo Aditivo de Parceira.

A jovem Adricia Lopes, da comunidade São Bento, em Santa Cruz da Baixa Verde, é uma das integrantes do grupo. “Achei uma ótima oportunidade a confecção das bombas, pois além de ser uma geração de renda para nós, também ajudamos a Associação, que não precisará ir atrás de produtores fora. Eu sou cadastrada no projeto da KNH, me cadastrei com 12 anos, já venho participando das atividades na minha comunidade e já participei do projeto Jovem Líder e agora estou de volta nesse projeto”, relatou a jovem.